Menu

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Garota retrô: Resenha Pássaros feridos


Galera, depois da resenha de "Morro dos ventos uivantes" a coluna Garota Retrô volta com mais uma resenha de um super clássico autraliano: Pássaros Feridos!

Autor: Collen McCullough
Editora: ( Várias)
Ano: 1977 - 1984 - 1985 - 1986 - 1988 - 2003
Onde comprar: Fnac / Saraiva 
Classificação: (4/5)

Sinopse:Pássaros Feridos é um romance singular. Conta a saga da família Cleary que tem início no começo do século 20, quando Paddy leva a esposa, Fiona, e os sete filhos do casal para Drogheda, uma enorme fazenda de criação de carneiros, de propriedade de sua irmã mais velha, viúva e sem filhos. Entre os 7 filhos de Paddy, encontra-se Maggie, a protagonista deste romance. Sua história é contada desde quando tem apenas 7 anos e se sente excluída pela mãe que dá preferência aos filhos homens, até o final de sua vida como Senhora da enorme fazenda de Drogheda. Entremeando esses acontecimentos, está o proibido amor de Maggie pelo ambicioso padre Ralph de Bricassart que nutrirá um amor especial por ela e estará presente durante toda sua vida. Uma história de amor fantástica, envolvente, forte e significativa.  (Sinopse adaptada de resenhas skoob)


Eu sou cheia de metas de leitura (malucas!). Teve a de literatura fantástica, de romances, de YA e ainda a meta de livros antigos. Eu amo coisas retrô ( tinha que ser museu! #fato), especialmente quando se trata de leitura, por isso criei a coluna, adoro falar sobre YA mas não resisto a esses livrinhos mais antigos que estão a cada dia mais esquecidos, e quando bati o olho em três livros do gênero disse: "Vou ler todos!" Dito e feito, ainda em 2010 li "Morro dos ventos uivantes" o primeiro da lista, jurei juradinho que 2011 não passa se eu não tiver lido "E o vento levou..." e por fim li "Pássaros feridos" do qual vou falar.
Não há muito para falar sobre o enredo, a sinopse diz bastante: ele conta a história da família Cleary que sai de seu país com a esperança de uma vida melhor para viver numa região rural da Austrália com uma parente, somos apresentados a pessoas simples, a uma Maggie de sete anos, a única irmã em meio a vários irmãos, rejeitada pela mãe, que desde a infância tem uma forte relação com padre Ralph isso mais tarde se torna um amor proibido, onde está em jogo aparências, ambições e será que eles são capazes de vencer isso?

Se me perguntassem como eu descreveria esse livro em duas palavras seria: Intensidade e emoção. São quase quinhentas páginas de puros sentimentos: amor, ódio, sofrimento, ganância... e de uma intensidade que só o ser humano tem. Impossível não entrar de corpo e alma na história, fui capaz de estar na pele de cada personagem e sentir cada alegria, cada mágoa sentida, os compreendi mesmo eles sendo tão diferentes de mim. Acredito que o ingrediente x dessa obra que a fez ser um sucesso é a humanidade presente em todo detalhe, a mesma humanidade que transborda em "A última música" e em "Morro dos ventos uivantes" ( ou falta no morro?)

Os personagens são reais e curiosos. Ralph não é capaz de decidir entre amor ou dinheiro e por isso vive um inferno na terra. Maggie é uma eterna sofredora, o clã dos Cleary é interessante, principalmente Fee, a mãe. A história pode ser dividida entre antes de Ralph e depois de Ralph e eu aprovei as duas, cada um com sua particularidade, narrando partes diferentes, nenhuma deixa de ser encantadora. No geral os personagens se dividem em amáveis ou odiáveis, a maioria odiável! A narrativa acompanha a Maggie  da infância a velhice, acaba que fiquei velha com ela , gostei disso! Isso já ocorreu em outros livros e em outras ocasiões só serviu para me cansar mas nessa leitura o que aconteceu foi que me tornei mais uma personagem! Apesar do tema polêmico: padres que se apaixonam, o romance a meus olhos não é o principal e sim tudo que o cerca e as consequências dele! A autora escreve magistralmente bem em todos os aspectos,  descreveu tanto que teve hora que cheguei a ponto de me fazer ter dor física de verdade por causa dos personagens! Em determinado momento deu vontade de cair no chão e chorar inconsolavelmente como descrito na cena. Outra coisa que Collen soube como escrever foi sobre a Austrália rural de décadas passadas, eu mentalizei perfeitamente a época e viajei pela terra dos cangurus! Descobri como era a vida por lá e me apeguei aos Cleary que se confundem tanto com sua terra, além do mais vale por mil aulas de história.Foi uma delícia a vigem literária, assim como nunca vou esquecer a "viagem" pela Rússia Czarista, pela França da Belle Époque a Austrália ficou gravada aqui, dentro da minha cabeça!

Se você for fã de drama como eu leia esse livro! Emoção e romance na medida certa, eu adorei, indico a todos! Acho que ele era digno de ser leitura obrigatória...Livros antigos também podem ser legais galera, vamos dar uma chance! Deixe preconceitos de lado pois compensa ler!

O livro tem uma variedade enorme de capas, separei algumas:

Qual a sua preferida? A minha é aquela a direita da capa da árvore, em tons laranja: linda linda linda!


6 comentários:

  1. Que legal, gostei da coluna retrô XD Também sou meio fã de museu ;x haha (ou pelo menos é o que os meus pais dizem!)
    Não conhecia o livro e achei bem interessante. Deve ser incrível mesmo se aprofundar nesses sentimentos e passar a leitura como se o livro fosse mais real que a nossa própria realidade.
    Adorei sua resenha, ficou muito boa mesmo!
    Beijo,
    Lis
    ~BookaholicLis.com

    ResponderExcluir
  2. Oi. Adorei a resenha!
    Eu já quase peguei esse livro na biblioteca, mas desisti depois de ver o tamanho. É muito grande, meudeus! E olha que eu já li livros beem maiores.
    Só que me animei agora com essa resenha. Eu tinha certeza que esse é um tipo de livro inesquecível, e agora quero mais ainda ler ele.
    Parabéns pela resenha, muito bem feita.
    Vou acompanhar as dicas de livros antigos aqui *-* Adoro eles e leio algum sempre!
    Beeeijos!

    booksmylovers.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Minha mãe vive me falando desse livro dizendo que ele é maravilhoso e que eu deveria lê-lo. E de fato tenho muita vontade de ler ele, já que, como você, sou uma "Garota Retrô". Não morro sem ler esse livro. Adorei a resenha.
    Beijos. ♥

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro, mas ele parece ótimo!
    Aliás, o fato de você ter dito que é intenso e emocionante na hora me fez pensar em O Morro dos Ventos Uivantes, mesmo que as emoções não sejam as mesmas.
    Adorei o nome da coluna ^^
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi Geovanna,
    Vi a resenha atraves dos links da semana do blog Livrificando. E acabo de notar que eu já te sigo...kkk..é que sigo tantos blogs que não lembro de todos...por isso vou me inscrever para receber suas atualizações e não me esquecer mais....Eu tenho esse livro, o meu é a segunda capa ali em cima..rsrs..ele é bem antigo mesmo, tive que reformá-lo para ler, mas ainda não li, porém depois das suas palavras fiquei encantada e louca para ler o meu....\o/...obrigado pela resenha...\o/...e das capas acima a que eu mais amei foi a quarta, pois amo paisagens assim...\o/...se quiser me visitar ficarei muito feliz...\o/
    http://amagiareal.blogspot.com/
    Beijoaks elis!!!

    ResponderExcluir
  6. eu sempre quis ler esse livro, e agora estou lendo, estou amando tb.. e tentando não devorar p não acabar logo! bj!

    ResponderExcluir