Menu

domingo, 20 de maio de 2012

Garota das Letras viu: O preço do amanhã!




Desde o ano passado venho ouvido de O preço do amanhã, hoje surgiu a oportunidade de assistir, logo me animei, afinal, tem um enredo com ares distópicos e me interesso demais pelo tema. Pois bem, no mundo de Will Salas (Justin Timbarlake ) tempo é literalmente dinheiro, é a moeda, é o que rege a sociedade. As pessoas param de envelhecer aos 25 anos e a partir daí tem um ou dois anos de vida, tendo que trabalhar duro para prolongar esse mísero tempo. Tudo custa horas, dias, anos o que resulta nos ricos acumulando mais e mais fortuna ( no caso, o tempo ) sugando dos pobres sua vida. É um sistema injusto onde uma minoria de ricos se tornam imortais, vivem centenas de anos ás custas de uma maioria que sofre para sobreviver, tendo sua vida roubada a cada dia. Depois de salvar um milionário de ladrões do tempo, Will ganha 100 anos de presente e passa a ser perseguido por pensarem que ele na verdade roubou os anos que ganhou. Com um século para gastar ele parte numa aventura fora da lei que pretende vingar todo o mal e mortes causadas pelos poderosos, os donos do tempo, da vida.

O preço do amanhã vem com uma proposta audaciosa, tratando de um mundo futurista onde tudo é movido pelo tempo: a vida, a morte, e consequentemente a riqueza, a pobreza, a alegria, tristeza, tudo é definido pelo  quanto de tempo que corre em um relógio, no seu braço. O filme tem bom enredo, tem potencial mas falha por cenas corridas, onde falta certa profundidade. Fiquei confusa algumas vezes, sem entender muito bem o que se passava. Porém gostei bastante do filme, que como toda distopia nos leva a reflexão sobre nossa sociedade, através de uma outra, complexa, anos a frente, que beira ao exageiro e que no fim não é muito diferente da que vivemos. 



Um mundo onde alguns tem muito e a esmagadora maioria nada, onde pessoas morrem a todo momento pelo descaso e o restante insiste em fechar os olhos e fingir que nada acontece. Uma sociedade que justifica o sistema injusto como meio de manter o equilíbrio no globo e é controlada pelo tique taque do relógio,  onde cada um tenta desesperadamente sobreviver em meio a massa, onde a riqueza extrema gera a tensão, imobiliza ante a ameaça de roubos, sequestros, uma vida morna, vazia, fútil, onde o tempo é ao mesmo tempo salvação e maldição. Senti uma forte pitada de Darwinismo " onde o mais capaz vence " no filme e  " Robin Hood " heroísmo em Will, desafia a lei ao lado de Silvia ( Amanda Seyfried ) roubando tempo dos poderosos e dando-o a seus semelhantes, pobres. Quanto a dupla, simpáticos juntos, mas longe de serem notáveis.

 O preço do amanhã é um bom filme, diverte e propõe uma inteligente reflexão, traz uma ótima mensagem, faz parte justamente de  um dos estilos literários que mais aprecio, distopia, e que pouco vejo atualmente no cinema. Que venham mais filmes do gênero,  nós só temos a ganhar com isso: Entretenimento + Conteúdo.

       

3 comentários:

  1. Ai Geo, eu achei que foi isso mesmo: entretenimento e conteúdo, mas tá faltando alguma coisa! Poderia ter sido melhor, não sei... Ou minhas expectativas estavam muito altas.

    Adoooro o Justin e a Amanda. Enfim, o filme tinha tudo para me agradar, mas ainda asssim não empolguei.

    Beijos!
    Miriam - Booker Queen!

    ResponderExcluir
  2. Oi Gi!!
    Meu Deus, que saudades de você, sua sumida!
    Não faça isso com meu pobre coraçãozinho ok?

    Eu quero ver esse filme, distopias também me agradam e adoro a combinação Cultura + Entretenimento ^^

    Beijão florzinha!

    ResponderExcluir
  3. Oi Geoo linda!!
    Você voltou <3

    Eu amo MUITO, MUITO, MUITO esse filme! Assisti no Natal passado e desde então fiquei obcecada por ele. Ao contrário de você não consegui enxergar falhas e gostei bastante da dupla.
    mas a proposta é realmente sensacional né? Acho que daria um bom livro!

    Um beijoo
    Brenda Lorrainy
    cataventodeideias.com

    ResponderExcluir